O APEGO FICA À PORTA

Já alguma vez sentiste que o teu caminho é por “alí” mas existe algo que te prende? Sabes a resposta mas não consegues agir? Deixar algo para trás exige aceitação e entrega. Só quando aceitamos que “tudo pode acontecer” e nos entregamos, começamos a fazer o percurso. Sentimos medo de dar o próximo passo, mas no fundo nós acreditamos que “aquele é o caminho certo”. Exige também coragem, para não fugirmos de nós. Coragem para irmos ao encontro da nossa essência. Quando estamos nessa encruzilhada, começamos a “fazer contas” a tudo aquilo que vamos deixar para trás, para seguir o novo caminho. Todas as experiências, as pessoas, a segurança. Entramos em modo racional. É neste modo que mais uma

RELAÇÕES OU "RALAÇÕES"

O mundo cinematográfico aproveitou muito bem este tema. Falo de relações amorosas. Muitos dos filmes românticos realizados têm o ingrediente principal para fazerem prender o espectador ao ecrã. A relação perfeita. A projecção que fazemos de nós para aquele contexto, faz criar uma ilusão. A ilusão de vivermos a mesma história. Não é de agora. É desde muito cedo. As histórias de príncipes e princesas, as histórias em que “viveram felizes para sempre", etc.. Com isto crescemos a acreditar que este é o nosso objetivo. Basta encontrar a pessoa certa, e tudo isto acontece. Projetamos mais uma vez a nossa felicidade no outro. Colocamos a responsabilidade no outro. Ao mergulharmos e experienciarmos

O MAPA DO TESOURO

Pára por uns instantes. O que está a acontecer dentro do teu corpo? Existe movimento? Existe vida? Vida...já alguma vez a sentiste dentro de ti? Quando começas a sentir essa energia interna, nem que seja por uns segundos, nem que seja por um dia, significa que estás mais perto. Estás mais perto de ti, do que alguma vez já estiveste. Estás mais perto da tua essência. E quando isso acontece, queres que essa sensação te acompanhe para sempre. Porque, tudo aquilo que tens sentido até agora, não se compara a esta lembrança que sempre esteve aí. E fazes de tudo para voltar a senti-la. Muito daquilo que pode ser feito, muitas vezes é procurado no exterior, fora de ti. Pode ser que aí fora, encontre

MÁSCARAS...SÓ NO CARNAVAL

Provavelmente já leste em algum lado “Aceita-te como és”. Uma frase simples, curta, que diz exactamente aquilo que precisas de saber. Não nos ensina o método. É um caminho que só nós o conseguimos percorrer. A forma como temos resistido a nós, faz com que transportemos couraças, faz com que utilizemos máscaras para nos proteger. Quando vamos trabalhar colocamos uma máscara. Quando estamos com os amigos, outra. Muitas vezes com a família, mais uma. E mesmo quando estamos sozinhos, não “somos” totalmente. Habituamo-nos às nossas falsas identidades, adquiridas através de heróis, pessoas famosas, entre outros. E quanto mais nos afastamos da nossa essência, mais confusão existe dentro de nós. P

FELICIDADE PARTILHADA

Somos seres completos. Já o somos. Parece que fazemos tudo para nos encontrar, fora de nós, onde tudo foge ao nosso controlo, onde tudo é impermanente. Buscamos nos outros parte de nós que simplesmente não nos lembramos que temos. Buscamos a atenção do outro, pois não nos damos a devida atenção. Ficamos magoados com o outro, porque ele não satisfaz os nossos desejos, mas estamos é magoados connosco. Gritamos com o outro, pois dentro de nós existe uma dor, que não estamos a conseguir entender. Fazemos isto diariamente uns aos outros. Não nos apercebemos que aqueles em que projetamos os nossos problemas, são os nossos espelhos. São eles que nos dizem aquilo que precisamos de aceitar em nós.

Publicações em destaque
Arquivo
Publicações Recentes